segunda-feira, 22 de julho de 2013

PROVA FINAL DE ÉPOCA: PIQUENIQUE!

"O bem estar na vida obtém-se com o aperfeiçoamento da convivência entre os homens.
Fonte : Moisés Maimonides

Um excelente grupo de convívio e de amizade... uma família!

Hoje a crónica desvia-se das típicas corridas e dos habituais procedimentos que a participação numa prova exige. 
Em final de época desportiva do grupo,  a ideia de realizar um piquenique, com todos os elementos e familiares dos mesmos, ganhou vida. 
O destino escolhido para usufruir de um dia de puro lazer e convívio foi o parque de merendas de Fiães de Cima, Codeçoso (Celorico de Basto). Um local não muito distante de Amarante, muito aprazível, onde se transpira natureza. Um outro fator positivo a acrescentar é a existência das piscinas municipais, para delicia dos miúdos e graúdos. 
Chegámos relativamente cedo para ter a certeza que ainda teríamos mesas disponíveis. A temperatura pedia os casacos vestidos. Das malas dos carros começaram a ser retirados os sacos com apetrechos e utensílios para piquenicar, as malas térmicas com a fruta e as bebidas frescas, as mantas para fazer uma sesta ou, simplesmente, descansar. O carvão, lenha e o respetivo grelhador também fizeram parte deste reportório. 
Apoderamo-nos das mesas livres e, rapidamente, estavam ocupadas com os inúmeros sacos transportados até ali. 
O Fernando e o seu presunto!
A primeira iguaria a ser saboreada foi um excelente presunto que o Fernando Cerqueira levou. Os sacos do pão fresco depressa se abriram para acompanhar este petisco.
O momento de descontração seguinte foi o jogo da malha. Para alguns, como o Cândido, o Cardoso e o Jaime, um jogo habitual, para outros, como eu, o Davide, o Osvaldo, o Jorge Oliveira, um menos comum. Fiz questão de fazer parte destes jogadores para lançar a malha. Apesar da pouca técnica e experiência a verdade é que me desenrasquei bem. Foi muito divertido e deu para treinar a pontaria e a força. 
De relance, vi as crianças. Corriam, brincavam no parque de diversões, passeavam e exploravam o local. Estavam entregues à sua curiosidade e vontade!
Limpar a suadela...
Entretanto, já o Macedo, o Cândido, o Fernando e o Jorge estavam a preparar o grelhador para começar a grelhar as carnes que cada um trouxe, devidamente temperadas. 
A suadela foi aqui... a fazer os grelhados!
Uns ajudavam a virar as carnes, outros a retirar as já preparadas, e outros ainda em amena cavaqueira. 
Ainda a começar!
Grelhados feitos, hora do repasto. Distribuimo-nos por 3 imensas mesas e substituímos o típico almoço de domingo por uma refeição ao ar livre, rodeados de amigos, conhecidos e familiares. 
O Miguel também já faz parte!
Hora das sobremesas: todos tinham de provar de cada uma. Desde o meu bolo de chocolate, ao bolo de nozes da Maria José (esposa do Macedo), até à tarte de maçã e bolo de amêndoas do Cardoso. O bolo de laranja da esposa do Cândido também fez parte da lista. Os quadrados de chocolate servidos pelo Jorge Cerqueira, desapareceram num ápice. O problema era mesmo descobrir qual deles o melhor. O melão, a melancia, as uvas e maçãs refrescaram os nossos estômagos já bem aconchegados. 
A boa disposição e a descontração reinava no imenso grupo. Alguns familiares dos colegas não eram conhecidos, mas o convívio e o ambiente de lazer facilitaram o contacto e a empatia. 
Hora do café

Com a existência de um pequeno bar à entrada das piscinas e do parque, foi chegada a hora de esticar as pernas até este e saborear um magnífico café. Coincidentemente, conheci dois colegas de profissão através do Miguel. O diálogo recaiu sobre os temas que nós, professores, mais falamos; as escolas, os colegas, os alunos, o sistema e a perspetiva de um futuro pouco risonho para a nossa classe. Contudo, o meio envolvente, não permitia a intromissão de preocupações. Ditava sim para o dia ser aproveitado... e foi!
Café tomado e alguns miúdos queriam ir até a piscina. Outros ficaram a jogar cartas. Os jovens a conversar, alguns colegas foram jogar novamente à malha. As mulheres conversavam e eu decidi combater a moleza, que se estava apoderar de mim, a jogar raquetes. Além disso precisava estar ocupada para esquecer uma dor nas costas que impedia de me manter direita. 
Corri e... acertei!

Dores à parte, e, depois de umas boas jogadas, fui até à piscina com o meu filho. Juntei-me à Paula e à Clara. E como a água, no verão, rima com... crianças, foi uma alegria vê-las a mergulhar e a nadar! Mais um ótimo momento de diversão e descontração!
O relógio acusava a hora do lanche. Lentamente, o grupo aglomerou-se para mais um manjar. 
Nesta altura o Jaime lembrou-se de algo gracioso: pediu-me para escrever uma quadra para que todos pudessem cantar. Registei e, só os mais audazes é que cantaram, os restantes assistiam e repetiam apenas uma pequena parte do refrão... que era a mais relevante :)!
O festim continuou por mais algum tempo, regado de boa disposição e contentamento.
Parece, mas não estou a dançar!
Em forma de conclusão, foi um dia extremamente bem passado, tendo como palco principal a natureza e como protagonistas todos os elementos presentes. Foi idílico ver e sentir a sintonia entre todos, a cordialidade e a partilha. O ambiente salutar vivido mesmo entre os menos conhecidos, as brincadeiras dos mais conhecidos, as risadas, as piadas, toda e qualquer ação era descontração no seu sentido puro. 
Um dia memorável e com votos que seja o primeiro de muitos idênticos, no futuro.
A todos que estiveram presentes neste magnífico piquenique, um bem haja por tudo!

" O piquenique é a triplíce fusão das algibeiras, dos estômagos e dos corações." - Machado de Assis





VIDEOS ( os momentos em que o Jaime se lembrou de umas musiquinhas!)






Sem comentários:

Publicar um comentário