segunda-feira, 8 de julho de 2013

XXV G.P. de S. Pedro, na Póvoa de Varzim

Póvoa de Varzim, 7 de julho. 35 graus às 10.30 da manhã. Um dia particularmente quente. Contudo, as altas temperaturas não impediram centenas de atletas de participar em mais uma edição do Grande Prémio de S. Pedro, na Póvoa do Varzim.

Esta prova já faz parte do calendário do grupo de atletismo da A.D.A., daí ser impensável a maioria não estar presente. Como chegamos cedo e não havia dorsais para levantar ( o Jorge Oliveira levantou-os na véspera!), fomos fazer o reconhecimento da zona de partida e, seguidamente, usufruir do tempo de espera numa magnifica esplanada, à beira mar.  Relaxamento total entre amigos e com um café gelado para saborear. 
Um grupo em grande!

Observamos as pessoas a dirigirem-se para a praia. O tempo convidava mesmo a isso. Por momentos imaginei o que pensariam elas, ao se aperceberem que, dali a algum tempo, centenas de atletas (entre eles, nós), iriam correr debaixo de um sol escaldante e com temperaturas elevadas. Pensariam que seríamos loucos? Que o calor nos tinha afetado o bom senso? Ou será que cogitavam que éramos uns seres corajosos, bravos, audaciosos ou mesmo, valentes por enfrentar estas condições climatéricas? Provavelmente pensariam tudo isto, ou então, ignoravam o evento e possuíam uma opinião neutra. Afinal não eram eles que iriam correr!
Desci à terra. Seguimos em direção ao parque de estacionamento. Estava na hora da malta se equipar. Começou a agradável confusão: sacos por um lado, calções para o outro, dorsais para colocar e muitos a pedir os alfinetes para os prender. Minutos depois estava tudo preparado para a foto da praxe!
É importante dizer que tentámos beber o máximo de água possível para não sentir de imediato, os efeitos do calor.
No percurso que nos levava à partida encontrei alguns atletas conhecidos, quer neste espaço, pela participação noutras provas ou mesmo pelo facebook.
Colocados na linha da partida, encontrei o meu amigo e grande atleta, Tomé Arteiro "pintado" de protetor solar. O Francisco também surgiu no meu campo de visão. Uma prova sem ver este amigo já não seria a mesma coisa! 
Tiro de partida dado debaixo de um sol descomunal. Segui com o Miguel e o Davide, com muita calma. O Davide avançou logo nos primeiros metros. Eu e o Miguel mantivemos um ritmo lento até ao 3º km. Aqui ele quis acelerar. Eu mantive o mesmo ritmo. Não queria entrar em euforias. O calor era imenso e tinha receio de sofrer com um esforço exagerado. Neste 3º km tivemos o ansiado ponto de abastecimento. Aquilo que pensaria ser alivio foi desilusão: a água estava quente!! Como o Francisco disse:"dava para fazer um ótimo chá!" 
Segui calmamente, mas o sol era colossal. Comecei a ver atletas a caminhar, mesmo antes dos 5 kms. Assustei-me um pouco. Será que eu estava mesmo bem? Aguentaria o percurso todo a correr ou também teria de caminhar? Continuei... orientei o pensamento para o banho no  mar que daria, após finalizar. Numa parte do percurso deu para ver alguns colegas. Reparei que eles não estavam a dar o seu máximo, mas apenas o essencial para terminar bem. 
A água voltava a ser urgente. Esperava ver umas mangueiras para refrescar os participantes, mas não apareceram. O segundo abastecimento foi ao 7º km. Mais uma vez... água quente. Deceção total. Optei por levar uma garrafa comigo para ir humedecendo a boca. Continuei num ritmo calmo e não ousei sair da minha zona de conforto.
O que te esperava!
 À medida que me aproximava do final, tinha a sensação que estava numa caminhada. O número de atletas a caminhar tinha aumentado imenso. Uma atitude sensata perante este dia tão particular.
Cortei a meta sem pressas e sem percalços. Respiração normalizada mas com muita sede. Mais uma vez fui brindada com água quente. 
Vi o Miguel e o Jorge do outro lado. Perguntei pelo Davide assim que os alcancei. Ainda não tinha chegado. Esperamos por ele e foi chegado o momento que mais ansiava: banho no mar!
Sapatilhas tiradas, tshirts fora e entramos na água. A temperatura desta estava muito agradável,  uma sensação de relaxamento total invadiu-me. Simplesmente sensacional. 
Para nosso espanto, vimos alguns colegas do grupo a encaminharem-se também para a praia, quando nos dirigíamos para a carrinha. Nem é preciso dizer que voltamos ao segundo banho! Magnífica recompensa após a enorme provação que passamos!
Aspetos negativos da organização e das entidades policiais:
Como já era previsto elevadas temperaturas para este domingo, a organização colocou mais um posto de abastecimento numa prova de 10 km. Em vez dos típicos 2 colocaram 3 abastecimentos. Até aqui estiveram bem! O problema surgiu na localização destes postos. Com tantas sombras ao longo do percurso, colocaram-nos ao sol. Uma empresa como a Runporto não devia falhar aqui. Se, logisticamente, não era possível deslocar estes postos, podiam utilizar guarda sóis, por exemplo. O valor que é pago por cada inscrição exige um maior empenho e meios para facilitar a vida aos atletas. 
Um outro aspeto importante a salientar foi a abertura ao trânsito numa das ruas onde ainda decorria a prova.   Uma grande inconsciência por parte da entidade responsável por este setor. Tivemos de correr com os carros a circular e fomos obrigados a abrandar para alguns passarem. Algo incompreensível para uma cidade que recebe esta prova há 25 anos. 
São falhas que devem ser repensadas para melhorar em futuras edições, com fatores adversos como os deste dia. 
Apesar destas contrariedades, a prova realizou-se e os atletas chegaram ao fim, a correr ou a caminhar. Bem ou menos bem, mas foram todos muito corajosos. 


  • Aos meus parceiros do grupo:  Davide, Miguel, Jorge Oliveira, Jorge Cerqueira, Paulo Vasconcelos, Paula, Osvaldo, Macedo, Álvaro, Cardoso, Jaime e Veríssimo, sois valentes e guerreiros. Muitos parabéns!
  • Obrigada, Zacarias Arteiro, pelo incentivo e pelo reconhecimento que me deste! És mesmo irmão do teu irmão! 
  • Correia Orlando, muito prazer em "conhecer-te" pessoalmente! Obrigada pela receção quando terminei a prova!
  • Parabéns a mim por conseguir ouvir o meu corpo e seguir calmamente até à meta, sem sofrimento! Uma provação superada!
Mais uma corrida realizada e uma valente suadela conseguida! 
Até à próxima corrida, atletas!





Sem comentários:

Publicar um comentário