sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

38ª Meia Maratona da Nazaré

A quarta retrospetiva


À beira mar...



Decorreu ontem, 11 de novembro, a 38ª edição da Meia Maratona Internacional da Nazaré, a denominada “Mãe” das Meias Maratonas em Portugal. Simultaneamente com a “Mãe”, decorreram a Volta à Nazaré na distância de 7 km e a Caminhada de 4 km.
A marginal da bonita vila da Nazaré avolumou-se de atletas que não quiseram perder a oportunidade de participar em mais uma edição desta prova!
À chegada à vila o tempo estava chuvoso e frio. Contudo, à medida que a manhã avançava o céu descobriu e o Sol deu as boas vindas ao início da prova, às 11h da manhã!
À hora marcada deu-se o tiro de partida. Os passeios estavam repletos de pessoas que não quiseram faltar à abalada dos atletas. Avançamos pela Avenida Manuel Remígio até ao Porto de Pesca. Quem assistia, ia batendo palmas de incentivo, mas a maioria… só visualizava.    
Daqui subimos a Estrada Nacional 242 até virar para a Rua Mouzinho de Albuquerque. Nesta rua deu para relaxar um pouco o esforço da subida, pois era a descer até encontrar, novamente, a Avenida Manuel Remígio. A partir daqui já estavam 4 km feitos e o aquecimento para o restante percurso. Seguimos em direção à EN 242, mas desta vez no sentido de Famalicão. Aqui subimos mais um pouco até à ponte mas, a partir daqui, foi sempre a rolar com alguma facilidade porque o vento “empurrava-nos” até ao retorno! Tendo o auxílio do vento, tentei controlar a “dor de burro” que surgiu, inusitadamente, com o controlo da respiração. Após debatido este percalço, foi seguir mais despreocupada e com um ritmo controlado e confortável.
Após fazer o retorno começaram as dificuldades com aquele que, até então, foi nosso amigo. O vento fustigava, agora, de frente. Frio e forte, dificultou a passagem de todos os atletas até virar à esquerda, no final da ponte. Já com algum cansaço normal dos 16 km, não aguentei a pressão e tive de caminhar alguns metros para repor convenientemente, a respiração. Atrasei um pouco o tempo que pretendia fazer, mas o mais importante era acabar bem… e acabei!!
Ao longo do trajeto verifiquei que, apesar de haver muitas pessoas a assistir, é notório ainda a falta de sensibilidade e de animosidade para dar palavras de incentivo, bater palmas e estimular o esforço que os atletas fazem. Há, realmente, sempre alguém que berra, bate palmas, que anima o cansaço, mas são tão poucos num universo de imensos... Eu própria pedi para baterem palmas, para nos darem força… mas isso é algo que tem de vir sem ser pedido!!!    



Sem comentários:

Publicar um comentário